AEROIN

São José dos Campos (SP) – O Cluster Aeroespacial Brasileiro, do Parque Tecnológico São José dos Campos, coordena o projeto setorial “Aerospace Brazil”, subsidiado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Neste momento, o projeto organiza a missão setorial que oferece condições especiais para a indústria brasileira que deseja estar presente no Farnborough International Air Show, que ocorre de 16 a 22 de julho em Farnborough, no Reino Unido.

O evento é considerado um dos mais importantes do mundo e reúne exibições de aeronaves, reuniões de negócios, workshops e conferências. A feira espera receber 1.500 expositores de mais de 50 países – ao menos 70 das 100 maiores empresas aeronáuticas devem participar do evento. Em 2016, o volume de negócios chegou a US$ 124 bilhões e o evento recebeu 73.000 visitantes de 70 países ao longo dos cinco dias – 25% deles tinham cargo de diretor ou de CEO de empresa.

“É uma excelente oportunidade para mostrar produtos e serviços e buscar fornecedores, pois o evento atrai tanto as montadoras quanto empresas de médio e grande porte”, diz Rodrigo Mendes, coordenador do programa de internacionalização do Parque Tecnológico São José dos Campos.

O perfil dos expositores é bem abrangente: são empresas que atuam em aviação civil e militar, na fabricação de helicóptero e nas áreas de manufatura e suprimentos.

Membros do projeto setorial poderão compartilhar um estande de 140 m2, montado como um lounge e preparado para receber clientes em potencial. No local, será possível exibir produtos e serviços, conforme regulamento.

O subsídio envolve toda a parte de exposição e equivale a cerca de R$ 30 mil por empresa – preço médio que seria pago por um expositor individual. Cada empresa, no entanto, deve arcar com os custos da viagem, hospedagem, alimentação e translado para a feira como parte de um grupo de contrapartidas especificadas em contrato.

Retorno
A brasileira Avionics, que desenvolve equipamentos aviônicos, expôs na última edição Farnborough Air Show e já confirmou presença no estande em 2018. “O principal objetivo é buscar mercados internacionais, tendo em vista que o mercado nacional está muito ruim, oferecendo poucas oportunidades. O mercado internacional é muito grande e, se não estiver em um evento desses, fica mais difícil prospectar mundo afora”, avalia João Batista Vernini Filho, diretor comercial da empresa.

O balanço da última edição foi positivo. Segundo Vernini Filho, a exposição da empresa no estande brasileiro compartilhado rendeu boas oportunidades de negócios nos meses seguintes. “Estar em um estande como o nosso mostra que as empresas possuem o suporte de uma associação e que não são um grupo de aventureiros. São empresas sérias e reconhecidas no mercado brasileiro”.

Em 2016, a missão brasileira levou 12 empresas, que participaram de mais de 40 reuniões de negócios individuais.

Novos membros

É possível se associar ao Cluster Aeroespacial Brasileiro e ao projeto setorial para obter os benefícios.

“Empresas de olho no mercado internacional que não são membros podem aderir ao projeto por meio de um processo simples e direto”, explica Mendes.

Os participantes da missão serão acompanhados por especialistas do Cluster Aeroespacial Brasileiro, sempre com o objetivo de gerar negócios. Além da participação da feira, as empresas também devem visitar a Universidade de Conventry, que abriga o Convetry Tech Park, nos arredores de Londres. Terão ainda reuniões agendadas com o departamento de comércio internacional do Reino Unido (UK DIT), entre outras atividades.

Saiba mais sobre a feira: www.farnboroughairshow.com

Veja aqui o termo de adesão para associados ao Cluster

Veja aqui o termo de adesão para não associados ao Cluster