Exportações de Araraquara têm aumento de 83% nos primeiros 5 meses de 2018.

Município está em 10º lugar no ranking paulista com um faturamento de US$ 493,95 milhões.

O faturamento acumulado com as exportações de Araraquara (SP) nos primeiros cinco meses de 2018 atingiu US$ 493,95 milhões. O valor representa um aumento de 83,3% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. O município está em 10º lugar no ranking paulista de exportações.

A cidade tem 31 empresas exportadoras. Os principais destinos dos produtos araraquarenses são a Holanda (38%), os Estados Unidos (35%), a China (7,5%) e o Japão (5,6%)

Um dos fatores que contribuíram para os resultados positivos foi a alta do dólar, mas a inovação nas empresas teve um papel importante também.

Uma fábrica de bombas hidráulicas adaptou o seu produto às necessidades de um cliente norte-americano e aumentou as exportações em 40%.

A empresa, que também exporta para a América Latina, adotou a estratégia de fortalecer as vendas para países de moeda forte, como os Estados Unidos, que oferecem mais segurança.

“Quando a fábrica foi montada, antes disso mesmo, já começou a buscar os contatos, começou a fazer vendas e a coisa aconteceu bem rápido”, disse o empresário Mauro Silva.

Embora tenha tido um aumento mais modesto, de 3% nas exportações, uma fabricante produtos odontológicos que exporta para 18 países vê o futuro com otimismo e espera crescer 10% até o final do ano.

As vendas externas representam 20% do faturamento da empresa que exporta, principalmente para México, EUA, Peur, Chile e Paraguai. Para crescer, aposta em novos negócios com o Leste Europeu e com a Rússia.

“A gente viaja muito, faz visitas, participa de eventos internacionais, nós damos um apoio muito grande ao nosso cliente externo. Então, eu creio que isso, impulsionou muito nosso mercado”, declarou a gerente de comércio exterior Mirian Fortunato.

Outra ajuda é a política brasileira de exportação, segundo o empresário Eduardo Bueno que produz prensas de material reciclável e tem negócios com o Paraguai e Angola.

“Existe o incentivo quando você vende no mercado externo, você tem todas as taxas, todos os impostos que incidem sobre esse equipamento e já quando você faz a exportação, esse imposto reduz. Então isso ajuda também na exportação porque a empresa deixa de pagar impostos quando ela exporta”, disse.

Outras cidades da região também tiveram bons resultados na exportação. São João da Boa Vista (SP) teve um crescimento de 169,61% no faturamento com produtos vendidos para outros países, atingindo US$ 36,47 milhões.

Araras (SP) cresceu 46,60% e faturou US$ 40,90 milhões nos primeiros cinco meses do ano. São Carlos (SP) teve um aumento de 10,99% nas exportações, alcançando US$ 132,95 milhões, e Rio Claro (SP) teve um acréscimo de 7,6% e faturou US$ 57,28 milhões.

Segundo o economista Jonatas Rodrigues da Silva explica que o dólar valorizado aumenta não só o faturamento, mas o volume das vendas.

“O empresário pode baixar o preço para venda ao exterior e, com isso, aumentar o seu volume. Porque com o dólar mais valorizado, ele vai fazer mais reais, então ele pode baixar o preço, dar desconto para quem compra em um volume maior. Ele tem mais margem para negociação”, explicou.